…Crer em quê? Em quem? Crer? !!!,-) #ComoEhGostosoMeuFrances #jevousparlefrançais

th (1)

…acreditar, crer, saber ser verdade aquilo que se sabe, ter as garantias de que aquilo em que se acredita realmente é o que se deve acreditar como sendo, senão, verdade, pelo menos realidade, sim, pois já que não se pode saber da verdade, em alguns dos casos, ao menos a questão da realidade tem que ser vista como prioridade na busca pela verdade. E o que seria realidade? Seria aquilo que se apresenta como sendo real ao ser humano, que fisicamente responde inicialmente as indagações físicas materiais averiguáveis como tamanho, cor, textura, sons, cheiros… mas tendo como base que ponto de vista? De preferencia o mais confiável possível, pois a mudança do ponto de vista, pode relativizar toda a pesquisa e modificar todo o resultado a ser compreendido… e… por que estou me debatendo sobre estas questões hoje? Simplesmente por acreditar que andamos acreditando,hoje em dia, em muitas coisas que não procedem, questões simples que remontam ao nosso passado primitivo quando ainda vivíamos com e como animais, que classificamos como irracionais, mas, somente pelo confortável ponto de vista onde nos instalamos e de onde vemos a vida, incluindo a nossa própria, como sendo um lugar comum, cheio de glórias e desesperos, permeado por uma luta pela sobrevivência que nos coloca em nível de igualdade com os bichos mais competitivos da natureza, sim, a nossa sociedade ressalta pra nós mesmos a necessidade insurgente de vencer, de crescer, de dominar, sendo estes talvez os únicos estímulos legítimos dos homens enquanto espécie beligerante, intolerante, preconceituosa e apesar de tudo isso, ainda assim, inteligente como se pretende expressar… e… esta pretensa inteligência ressalta ainda mais a obtusidade inerente ao ser humano que só não a observa como definição verdadeira pela doutrinação dogmática que controla nossas atitudes sociais, explícitas e implícitas, e que nos apresenta enquanto espécie maravilhosa para nós mesmos e para o universo que nos teria criado como filhos únicos de um ser todo poderoso, blá, blá, blá, conceitos criados por nós mesmos na tentativa de nos compreender como seres pensantes e com os quais podemos nos deparar  sempre que nos deparamos com algum “livro sagrado” editado por algum interessado em criar mais um buraco negro do pensamento humano, mais conhecidos como RELIGIÃO, que nada mais é do que uma forma de controle social e populacional baseada na pretensa espiritualidade que o ser humano espera ter adquirido depois de eras de adoração aos símbolos e ídolos vazios de qualquer poder e/ou razão de ser, funcionando somente como forma de controle, que aos seres humanos menos dotados de conhecimento, de sabedoria, é tão importantemente imprescindível quanto respirar, a esses ídolos instalados em templos magníficos e/ou nem tanto assim, mas sempre a nos oferecer a oportunidade da nossa vida, que é uma barganha entre a sua devoção e o culto consequente com todas as obrigações circunvizinhas como por exemplo doar algum valor aos administradores do templo que sempre terão mais recursos que seus devotos mais desesperados, atraindo a todos com a promessa de uma vida nova, plena, blá, blá, blá, alguns ainda imitam a primitiva igreja católica romana e “vendem” terrenos no céu, onde ficaria a base desse negócio milionário que desde a aurora dos tempos aflige e controla a humanidade pela sua parte ‘espiritual’ parte que todos juram ter, mesmo que suas atitudes não encorajem esse pensamento sobre nós mesmos, na minha opinião. Acreditar é um ato deliberado de cada um que aceita verdades e conceitos anteriores a própria experienciação pessoal, nos tornando por definição seres pré-conceituosos, é óbvio que não precisamos comer todas as maçãs do mundo pra saber se elas realmente teem gosto de maçã, você simplesmente vê uma maçã em um anuncio por exemplo e você é capaz de antever ou saber de várias informações relativas ao produto sem nem mesmo provar, como por exemplo ao ver uma fruta podre, já intuímos não ter um bom gosto nem nos fazer muito bem, mesmo nunca tendo provado uma maçã podre na vida, carregamos esse mecanismo para todos os outros infinitos aspectos da vida humana, privada e social, e criamos, assim, os nossos códigos e regras de vida que vão mudando com o tempo ao sabor dos que controlam de cima da “pirâmide social” o nosso mundo proletário subserviente e ignorante. Nessa jornada do conhecimento que é a vida, vamos localizando-nos  e adquirindo o hábito de nos fiar em índices, conceitos, regras, pessoas, atitudes, etc., que tornem mais rápida a assimilação daquilo que buscamos pra nós mesmos, seja nossa crença e preferencia em algum ídolo, produto, serviço, local, enfim, seja nossa crença e visão da nossa própria realidade, sendo assim nós nos colocamos em teste por profissionais e máquinas que ao fim da averiguação específica nos podem dizer, se temos alguma doença, se sim, podem nos indicar o tratamento e cura do mal, podem nos dizer empiricamente que algum antepassado nos quer contatar por meios não ortodoxos, ou até mesmo podem nos dizer e mostrar em um mapa, o local onde estamos e o local para onde queremos ir, no caso dos recentes aparelhos de GPS que tomaram conta dos destinos dos humanos, motorizados e/ou não, uma vez que o grande oráculo da nossa era está conosco o tempo inteiro e responde pelo nome de telefone celular e /ou smartfone, como é mais conhecido, esse oráculo nos diz tudo o que queremos saber, coisas impressionantes sobre nós, nossa vida, a vida em comum e até a vida privada dos outros, com textos e farta ilustração, tendo nessa área específica a maior quantidade do conteúdo a que se tem acesso, e a maior quantidade de acesso por usuários no mundo inteiro. Então em que se transformou o hábito de acreditar? Uma vez que a tecnologia digital que temos hoje pode produzir imageticamente, pictoricamente, qualquer realidade imaginável. Como saber o que é real e o que é imaginário numa sociedade dada a relacionamentos virtuais onde muitas vezes quem está do outro lado da linha é uma máquina que coordena sua operação bancaria diária, que diz quanto dinheiro você ainda dispõe na sua conta… e …você simplesmente acredita sem questionar, afinal a sua instituição bancária se esforçou muito em publicidade para “ganhar” a sua confiança, trabalhou muito pra você acreditar que o seu rico dinheirinho estará em boas mãos, mesmo que a realidade nos mostre, em jornalísticos totalmente confiáveis, de vez em quando uma situação adversa de mercado e força maior, onde alguma instituição financeira deixa todo mundo na mão, literalmente… acreditar é um salto no escuro, é confiar que o que se mostra corresponde  a aquilo que você realmente sabe e conhece como sendo aquilo que é verdadeiramente mostrado, dito assim podemos até perder a crença e/ou confiança na vida e nas pessoas, complexas e corruptas como se apresentam atualmente, com todas as peripécias humanas desenvolvidas com base no engodo e mentiras como podemos ver em qualquer  artigo publicitário estampados nas velhas revistas de consultório, em que um belo carro se vende sendo a resposta a felicidade que o comprador pretendia buscar com quatro ‘airbags’, além dos dois da loira que admira o carrão, é claro. É óbvio que na intenção de vender seus produtos as indústrias do comércio e propaganda, criam as peças mais absurdas que se pode imaginar somente pelo poder do apelo ao despertar dos desejos humanos, que uma vez despertos fazem todo o serviço sujo e ainda comprometem todo o curso de muitas vidas, humanas e/ou não, apenas pela necessidade de saciar esse vazio interno que nos impele a viver essa vida sem sentido lógico, onde se garante a venda de alimentos dizendo a você, por meio de suas autoridades em saúde, que você precisa comer de três em três horas se você quiser emagrecer pra ficar igual a mulher do anúncio de carros, coisa que sabemos ser impossível, quer emagrecer? passe fome…mas não é nesse mundo “sincero”que vivemos, onde a indústria mundial cria a cada dia um sem numero de produtos para consumo de massa que não atendem a nenhuma necessidade básica relevante para o, no caso consumidor, ser humano… a não ser a necessidade de abocanhar seu rico dinheirinho, que de valor mesmo só carrega a tinta da impressão. Assim temos refrigerantes cancerígenos que nós adoramos somente por que todos bebemos desde sempre, tornando se um ponto em comum que todos temos no planeta independente das nossas fronteiras culturais e nacionais. Podemos citar também um dado muito alarmante que pode comprometer toda a nossa relação com o consumo de carnes… ainda que se saiba a tempo dos riscos de uma dieta carnívora, o que a população nem desconfia é que doenças como Alzhaimer, Parkinsons, Prion e Kuru, são doenças degenerativas que também são causadas pelo consumo de carne humana e/ou também atingem cronicamente aos que desenvolveram o hábito primitivo do canibalismo… quando vemos o aumento exponencial dessas específicas enfermidades dentre as inúmeras outras que ceifam as vidas de pessoas ignorantes e/ou não pelo mundo a fora, podemos acreditar que toda a carne que comemos realmente  vem dos animais listados nos rótulos quando estes existem? E depois disso, dentro de todos os alimentos industrializadamente processados será mesmo que são o querem parecer? que se prestem ao que prometem? Será mesmo que essas vacinas modernas e seus tratamentos médicos revolucionários realmente são necessários para nos livrar de todas as pragas virais e/ou  bacterianas? E…esse pensamento de desconfiança pode contaminar tudo o que se vê atualmente, principalmente quando alargamos o olhar e vemos o presidente dos Estados Unidos, eleito duas vezes com o apoio maciço da indústria armamentista, chorar em horário nobre pedindo mais controle sobre a venda de armas para civis e tendo como resultado o aumento imediato das vendas, coisa boa para os produtores que ao que parecem encontraram o “garoto propaganda” perfeito… só pra citar mais um imbróglio internacional, a Coreia do norte acaba de fazer um teste de uma nova bomba portátil de alto poder de destruição, que abalou a confiança do mundo nas intenções de “paz” de todos os governantes da terra, pois então,  como uma nação oprimida desde a década de 50, com embargos comerciais que dificultam o acesso a produtos básicos como comida e remédios, pode desenvolver uma tecnologia dessas sem a ajuda de ninguém? Ao ver o presidente da Rússia, que faz parte do mesmo bloco de pensamento que a Coreia do norte, com cara de bravo repreender seu aliado o presidente da Coreia do norte, juntando se  ao coro politicamente correto que pede “paz na terra aos homens de boa vontade”, quando vejo isso lembro das lágrimas do Obama e penso que talvez o que esteja errado não sejam eles, os “homens de má vontade” mas nossa crença e predisposição em acreditar naquilo em que nós nem deveríamos cogitar por se tratar de óbvias ilusões a serviço de outros interesses que não são os meus e nem os seus…eu…suponho!!!,-) #TuMeCrer

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: