…vc por a acaso já ouviu falar em”webart”? !!!,-)

hebeart

 

 

…não…não confunda “web art” com “HEBE ARTE”…apesar da falta que dona Hebe Camargo, me faz na tv brasileira…hummm não…não tem nada a ver com ela…

…Web arte ou webarte é uma categoria de arte computacional que só pode ocorrer em redes de computadores. Sua principal característica é a interatividade, por meio da qual o interagente, atuador ou usuário modifica o conteúdo do trabalho, em tempo real, de modo a transformar o evento em função de sua participação.
Ao criar um trabalho de arte para a rede, parte-se do princípio de estabelecer relações com a sensibilidade do internauta, tornando a navegação, uma experiência insólita, cômica, hermética, repetitiva, labiríntica, estética e/ou conclusiva etc. Aqui existe uma busca de resultados subjetivos, intimamente ligados com a experiência do visitante vivenciada no trabalho, que por sua vez, se presta a um grande número de leituras particulares que serão resultado direto da ação do repertório visual do interpretante.
Assim, a leitura de típicos trabalhos de Web Arte que se utilizam de elementos do universo computacional (botões padrão, barras de navegação, mensagens típicas de softwares, edição digital, remasterização de áudio e vídeo, etc.!!!,-) dependerão da existência das informações deste universo no repertório visual do visitante. Em outras palavras, se ele não conhecer do que exatamente se trata, sua leitura irá correr o sério risco de não ser satisfatória e ficar somente no nível estético ou de composição estrutural crítica das imagens. Atualmente, a Web Arte apresenta-se como uma expressão com linguagem ainda em definição. Muito do que é produzido para a Internet, ainda parte de conceitos oriundos de outros meios analógicos já existentes, como a pintura, a fotografia, o cinema e o vídeo. Apenas o que for produzido sendo pensado para a rede Internet pode ser chamado de Web Arte, como exibições on line em web video chats ou até mesmo plataformas de divulgação e distribuição de informações como o Hangouts do Google+. Também podemos entender a web art na compreensão 
de David Garcia e Geert Lovink, onde é classificada como: ” Uma estética da invasão, pirataria, leitura, fala, navegação, compra e desejo.” (quem são esses pensadores? ah, vc não quer, mesmo tudo mastigadinho só pra vc engolir, não é mesmo? kkkk…se joga no google search que vc não sabe o que te espera!!!,-)

Embora o campo de exposição da Internet art, seja a própria WEB, na 24ª Bienal Internacional de São Paulo, de 1998, houve a incorporação artificial de trabalhos conectados à rede mundial, que além de reunir links para obras de vários artistas nacionais e estrangeiros, a curadoria preocupou-se com o desenvolvimento de um aplicativo, que permitia a navegação em uma trama de conceitos sobre o que estava sendo exposto.

Talvez as bienais do futuro não ocorram mais num prédio físico, mas possam ser instaladas no hiperespaço, para que os espectadores interajam ou simplesmente usufruam as obras em exposição…para…seu puro deleite!!!,-) #LOVEIT

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: