Destacando as evidências…uma reforma de vida !!!,-)

Vigas e colunas aparentes não
podiam ser alteradas. Ganharam,
então, revestimento especial e
valorizaram o espaço de convívio.

Por Débora Borges Fotos Daniela Conti

O casal proprietário deste apartamento de
81,35 m², no Rio de Janeiro (RJ), precisava de
ambientes sociais e íntimos bem delimitados:
desejavam conforto para receber visitas, mas
privacidade para a família, que acabava de receber seu
mais novo integrante. Os arquitetos Eliete Mourão e Marcel
Rofatto trabalharam juntos para concretizar o plano,
optando pela derrubada de paredes, que deu conta de
ampliar a área de convívio. Para criar um espaço aconchegante
exclusivo do casal, planejaram também uma
nova suíte. Os profissionais tiraram partido do pé-direito
alto e mantiveram também os tacos do piso, preservando
características comuns aos apartamentos antigos.

O publicitário e jornalista George Abreu
Assunção conta que já conhecia a filosofia
de trabalho do escritório contratado
antes de defini-lo como responsável pela
empreitada. “Como morávamos muito longe
do apartamento, precisávamos de alguém
que pudesse tocar a reforma, sem termos de
ficar o tempo todo acompanhando a obra.
Essa relação de confiança e cumplicidade foi
fundamental para o bom desenvolvimento.
Foi uma experiência de construir juntos”,
conta o proprietário do apartamento.
Assunção revela ainda que projetar a reforma
foi um dos pontos mais trabalhosos de todo
o processo: “Vimos que foi necessária muita
troca de ideias para que as coisas saíssem
como tínhamos pensado. Foi importante
passarmos as nossas expectativas e, por
outro lado, vimos que Eliete Mourão e Marcel
Rofatto procuravam acolher o que falávamos.
Ao mesmo tempo que nós [Assunção e a
esposa, Patricia Vellasco] procuramos ter
abertura para também entender a posição
deles e a concepção do projeto.”

As vigas e os pilares, antes
revestidos com reboco e pintura,
foram descascados para que fosse
avaliada a aparência da estrutura.
A ideia inicial era deixá-los sem
revestimento, mas alguns pequenos
pontos exibiam a ferragem exposta.
Por isso, a opção foi aplicar uma
camada de regularização com
cimento e cola branca, finalizando
com uma demão de resina fosca.
A solução custou R$ 1,2 mil no total.
As áreas sujeitas à umidade e à
gordura receberam Cetim Bianco (30 x
60 cm) retificado, da Portobello, que
custou R$ 60 o m². A escolha evitou
grandes contrastes entre as superfícies
da cozinha e as paredes brancas da
sala, sublinhando a ideia de unidade
visual. Prático, o revestimento não
demanda mão de obra especializada

Para os proprietários, o principal benefício da
reforma foi a integração, tanto a da cozinha com
a sala como a do escritório e quarto de hóspedes
com o estar, por meio da porta de correr. Assim,
o espaço social é melhor aproveitado e o pequeno
Enrico pode treinar os primeiros passos; e ainda
oferece privacidade quando há visita.
A marcenaria foi toda planejada em função do uso, a
partir de um bom diagnóstico. O encaixe nos vãos entre
pilares favorece o espaço. A contratação do serviço em
Nova Friburgo, incluindo frete e montagem, garantiu
preço até 20% menor que os orçados no Rio de Janeiro

A reforma durou cinco meses e começou com
as demolições, após confirmada a viabilidade
de estacionar a caçamba de entulhos nas
proximidades. Em seguida, veio a da construção
das novas paredes e atualização das instalações
elétricas e hidráulicas. Na demolição, um
“joelho” de tubulação de água foi encontrado,
próximo à laje de cobertura da cozinha . Para
escondê-lo, criou-se uma “boneca”, artifício
encontrado para diminuir a profundidade do
armário junto a um pilar já existente, onde
instalaram o interfone. Eliete Mourão destaca
ainda que foi importante dedicar especial
atenção às impermeabilizações, além da
ampliação da capacidade elétrica:
“O levantamento prévio das prumadas de água
e esgoto do prédio facilita a compreensão das
possibilidades de novos pontos hidráulicos.
Prever a substituição do circuito elétrico
monofásico por bifásico permite adicionar
aparelhos de ar-condicionado, por exemplo”,
esclarece a profissional

Na cozinha, era preciso acomodar a todos
os equipamentos e armários, em uma área
muito reduzida. A derrubada da parede entre
o cômodo e o hall de entrada ofereceu espaço
suficiente para o armário principal. No lado
oposto está a bancada de trabalho. Assim, foi
preservada boa área de circulação.
A divisão entre o espaço destinado à culinária
e a área de serviço é feita por uma porta
de correr com vidro jateado. As placas são
sustentadas pelo armário feito para abrigar os
vinhos, que fica apoiado nas paredes laterais.
Sem as separações tradicionais, foi necessário
disfarçar vigas e colunas, para manter um
visual harmonioso no espaço integrado.

 

 

Projeto Casa e Campo
Arquitetura e Construção
Construção Anselmo Rangel
Mobiliário O Galpão
Marcenaria Águia de
Madeira Vidraçaria Vidral

…Retirada da revista Construir Mais Por Menos !!!,-)

MORE INFO:http://www.clickeassine.com.br/revista/revista-construir-mais-por-menos?parceiro=google&gclid=COzw9sXkoqsCFUkU2godWgVWfA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: