Amy Winehouse…NASCEU… o mito da maior cantora contemporânea dos últimos tempos !!!,-)

“Ela esbraveja com a mesma força gospel de Aretha Franklin dos primeiros tempos”.
The Independent

“Totalmente autobiográfico, Back To Black é um dos melhores álbuns do ano.”
The Observer

“Sujo, divertido, sarcástico, abusado, auto-dilacerador, de cortar o coração e extraordinariamente sagaz e mundano.”
Daily Telegraph

Ganhadora dos prêmios Ivor Novello e Mercury Music Prize, além de três indicações ao Brit Awards, Amy Winehouse lançou seu novo álbum depois de uma mini-turnê pelo Reino Unido. Back To Black dá sequência ao seu primeiro “platinado” álbum de estréia, Frank, que a revelou como uma das mais excitantes e desafiadoras artistas pop. Amy confirmou agora, acima de qualquer dúvida cabível ou não, o quão talentosa e marcante era capaz de ser.

Amy refinou uma nova abordagem e seu estilo destemido de compor criou alguns do mais extraordinários momentos de sua curta carreira. Back to Black renovou a parceria de Amy com o mesmo produtor de Frank, Salaam Remi, e iniciou outra com o produtor nova-iorquino Mark Ronson (Lily Allen, Robbie Williams and Christina Aguilera).

Há dois anos atrás, na trilha do sucesso de Frank, Amy começou a pensar no que gostaria de fazer em seu segundo disco. Frank foi sua grande plataforma de lançamento e fez crescer um batalhão de fãs ao redor do mundo, que a festejaram como uma das vozes mais interessantes do pop: confessional e capaz da rara combinação de sentimento, alma e humor.

“Não queria louvar demais o jazz, de novo. Estava cansada da complicada estrutura de acordes e queria algo mais direto. Vinha escutando muitos grupos de cantoras dos anos sessenta e queria simplificar o som. Ir direto ao ponto”.

É possível ouvir influências das Supremes na introdução de Back to Black. Mas sua meta vai muito além. Enquanto os grupos dos anos 60 dos quais tornou-se fã eram mais contidos em seus vocais, Amy é capaz de escapadas ao estilo Aretha em “Just Friends”, ou ainda de subverter expectativas no gospel spiritual de abertura, “Rehab”. “Love is a Losing Game” é um clássico moderno genuíno: breve, direto e transbordante de emoção. Outros destaques são a faixa inspirada em Nas, “Me and Mr Jones”; a bela “Wake Up Alone”; “I’m No God”, um lema pessoal que dá conta de que você pode ser tão mau quanto os caras que tiraram sarro da sua cara e pisaram em você; além do suave blues título, “Back to Black”.

Para Amy Winehouse música não era apenas um mecanismo de defesa. Era a sua linha da vida. Nos dois últimos anos, desde que Frank causou comoção colocando essa artista eloqüente e extraordinária no centro das atenções, Amy achava que o que mudou foram as circunstâncias, não ela própria. Mas é possível perceber mudanças em sua cada vez mais criativa “body art”, na maquiagem mais agressiva de seus olhos e na grande cascata de cabelos negros que atravessava seu rosto e suas costas. Há essa altura, Amy Winehouse traçou uma rota que a fez passar de garota à mulher. Ela estva desembaraçando seus nós, descobrindo seu verdadeiro espírito e aprendendo a fugir dos demônios que a vinham perseguindo…demõmios estes que a alcançaram impiedosamente e a levaram desta vida  dias atrás…deixando seu breve legado na música como uma das mais celebradas e talentosas cantoras já surgidas no cenário musical do planeta… uma obra curta mas, com força suficiente para mantê-la no panteão das maiores cantoras que o mundo já teve a oportunidade de ouvir cantar, para sempre…morre a artista… NASCE O MITO !!!,-)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: